Página Inicial







Actualizar perfil

 

Povos e Culturas
Março de 1999

Macuas: filhos da montanha
Por: «SEM FRONTEIRAS»/ /ROGÉRIO NUNES



Habitam uma vasta região do Norte de Moçambique e estão profundamente convencidos de que Muluku (Deus) os fez brotar de uma montanha.

 

Os macuas rondam os quatro milhões de indivíduos e ocupam um território de cerca de 200 mil quilómetros quadrados, no Norte de Moçambique. Formam um povo único, embora com diversos grupos e subgrupos, que têm em comum a língua banta e os modelos de organização da vida social e cultural.

Os macuas são herdeiros de uma grande cultura e merecem respeito. A sua «submissão» aos colonos portugueses foi mais aparente que real. Eles defendiam-se, a seu modo, do invasor, na impossibilidade de terem uma vida livre e independente. O que dantes era visto como submissão é hoje tido como resistência. E foram várias as formas de resistência. A primeira foi a fuga. De 1950 a 1970, cerca de 60 por cento dos macuas mudaram de território, para fugirem ao trabalho obrigatório, em péssimas condições, imposto pelo Governo português.

A sabotagem foi outra. Assim, eles faziam as tarefas de que eram incumbidos sem se esforçarem, queimavam as sementes para prejudicarem a produção, faltavam ao trabalho sempre que podiam... Por isso, para os colonos portugueses, eles tinham fama de preguiçosos.

Mas os macuas dispunham de uma arma ainda mais subtil contra o domínio estrangeiro: o sarcasmo. Com o tempo, a sua linguagem foi-se enriquecendo com provérbios e cânticos novos, difíceis de entender pelos portugueses. Era assim que zombavam dos dominadores e dos chefes locais que se lhes vendiam. Porque «o branco é como o fogo. Quem lhe toca queima-se».

A própria mulher que mantivera relações com os brancos, e que por isso se julgava superior às outras, também não era poupada. Porque «Deus criou o branco e também o negro. Mas o “café com leite” quem o fez foi o português».

 

Mito das origens

 

Os estudiosos garantem que os macuas chegaram à região onde hoje vivem vindos na onda das inúmeras migrações dos povos bantos, por volta do século XI. Mas os macuas não são desse parecer. Eles acreditam que foi Deus quem os criou no monte Namuli, nas margens do rio Zambeze. É o que os pais ensinam aos filhos, empregando numerosas versões para contar como tudo aconteceu. Eis uma delas:

Um dia, nas entranhas profundas do monte Namuli, Deus fez germinar homens a partir das raízes de um embondeiro – a chamada «árvore dos mil anos», imensa.

Reunidos em pequenos grupos e seguidos por animais da floresta, os primeiros macuas conseguiram sair desse reino de trevas e chegar à luz. Uma vez à superfície, cada grupo recebeu um nome, capaz de unir os seus membros e torná-los irmãos uns dos outros. Foi assim que se formaram os clãs que ocupam hoje o território macua.

Um dia apareceu a morte e, com ela, a necessidade do casamento, para gerar filhos que ocupassem o lugar dos mortos de cada grupo. Mas como poderia ser, se todos eram irmãos?

Os anciãos reuniram-se então e tomaram uma decisão: o homem, quando casa, passa a viver com a família da esposa, mas não tem nenhuma autoridade sobre os seus filhos. Só sobre os filhos da sua irmã.

Os macuas multiplicaram-se muito, formaram um grande grupo e já não cabiam na montanha. Por isso abandonaram-na e vieram para a planície. Mas nunca esqueceram as suas origens e ouve-se frequentemente a frase: Miyo kokhuma o Namuli (fui gerado no monte Namuli).

 

Tio mais velho

 

Há muitos outros mitos que explicam o mundo de crenças e valores desse povo. Por exemplo, o da origem da mulher, o da passagem das «grandes águas» rumo à Terra Prometida, o do sangue do homem...

O mito das origens ajuda a explicar a estrutura social macua, que é matrilinear. A criança, quando nasce, passa a integrar o clã materno. Quem exerce a autoridade sobre os filhos é o tio materno mais velho: ele tem direito a intrometer-se na vida da irmã casada e até a censurar a conduta do cunhado, se vir que algo corre mal. O casamento só se pode efectuar com membros de outros clãs.

 

Lugar da mulher

 

A mulher ocupa o centro da vida familiar: educa os filhos, cuida da casa e prepara a comida. A sua principal tarefa prende-se com a maternidade e para ela é preparada desde pequena. Poder dar à luz traz-lhe prestígio e, assim, o nascimento de uma menina é festejado com alegres ilulu – gritinhos típicos das mulheres macuas. O mesmo não acontece com os rapazes e a mãe costuma mesmo perguntar: «Valeu a pena sofrer tanto?»

Já na vida social a situação da mulher é bem diferente: é marginalizada, ocupando uma posição de inferioridade em relação ao homem. Também executa os trabalhos mais duros, como transportar carregos pesados e moer a mandioca ou o milho. Não tem igualmente voz nas decisões importantes para a comunidade e tem de aceitar calada a poligamia.

 

«Deus existe!»

 

A vida é um valor absoluto, cujo fundamento está em Deus. Para os macuas, negar que Deus existe é o mesmo que negar a própria vida. A esfera religiosa abarca tudo o que existe na natureza. O universo é povoado por seres materiais e espirituais, tudo formando uma só coisa.

Acreditam que Muluku (Deus) é um só, criador de todas as coisas, dono de tudo e senhor da humanidade. Segundo um provérbio popular, Deus chama os homens anaka (meus filhos).

O que Muluku quer é o bem das suas criaturas. Por isso, o homem tem de se preocupar mais com os maus espíritos e com os inimigos, fazendo tudo para se defender deles.

Não é de estranhar que, de certa forma, a fé cristã entre em conflito com a visão cultural e religiosa dos macuas. Mas essa mesma fé não poderia também ser vista como uma Boa Notícia (Evangelho), que traz confiança e esperança a um mundo cheio de medos?

Imprimir   |   Enviar a um amigo



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados webdesign Terra das Ideias